segunda-feira, 31 de março de 2008

RETRO TETRIS


Tetris talvez seja o game mais clonado e copiado do planeta (com excessão, talvez, de Pong).

A começar da forma como o game foi exportado para o lado de cá da Cortina de Ferro, durante a Guerra Fria. Se você não sabia, Tetris foi inventado pelo russo Alexei Pajitnov, em 1985, quando era funcionário da Academia de Ciências da União Soviética, em Moscou. O game acabou vazando para o ocidente por meio de uma versão húngara do IBM PC e também teve os direitos de uso liberados por uma organização governamental soviética para a criação de um arcade pela Atari e para a criação de uma versão para consoles de game através da Nintendo.

Segundo a história, uma dúzia de empresas reclamava os direitos de criação e distribuição do game, que foi febre com o estouro dos PCs a partir do final dos anos 80, aumentando a confusão. É claro que Pajitnov não viu a cor do dinheiro nessa época...

A imagem que você vê acima é do Textmode Tetris, uma versão com apenas 10k, para baixar e jogar no seu PC. Há inúmeras outras versões disponíveis na rede, mas esta me chamou a atenção por optar em voltar-se para os primórdios, quando o limite era muito mais palpável.

Se quiser voltar ainda mais no tempo, há ainda a versão original do Tetris na página de Vadim Gerasimov, um profissional do Google que, aos 16 anos, foi auxiliar de Pajitnov na criação do clássico jogo.

SUPER POST IT MARIO

Olha só!
Cerca de 10 malucos, estudantes de engenharia da Universidade de Santa Cruz, nos EUA resolveram homenagear as pérolas do game design, mais exatamente o carpinteiro Mario (sim, nessa época ele ainda era carpinteiro!), sua namorada Pauline e o algoz gorilão Donkey Kong, criando um imenso painel nas janelas do campus com - que viagem! - Post its!!!

O trabalho ficou genial, como é possível conferir na imagem acima, mas dá pra ver outras imagens do processo no site de apoio, clicando aqui.

Veja a pilha de post its usados na imagem abaixo.



sábado, 22 de março de 2008

COMO FOI O PROGRAMA

Se você leu o post anterior sabe que estive anteontem no estúdio da Rede Família participando de um programa sobre a cultura gamer.

O programa foi genial e nunca uma hora do meu tempo passou tão rápido. A extensa pauta de assuntos não pode ser cumprida e o papo fluiu gostoso e em um clima de amizade impressionante!

Nem podia ser diferente, já que a maioria dos presentes já se conhecia anteriormente. Não pessoalmente, mas virtualmente, por meio do trabalho que cada um vem realizando voltado para o estudo sério do tema game, ainda hoje visto como brinquedo para jovens e crianças.

Entre o papo informal e uma verdadeira aula de games gentilmente oferecida pelo Roger (e condensada em 10 minutos!), falou-se de mercado de games, primórdios, perspectivas futuras e o erro comum de exagerar na dose, quando a diversão vira vício.

Acima, você vê a imagem do PC Engine da NEC, que é parte do acervo do Moacyr, que conta - se não me falha a memória - com 139 consoles diferentes e algumas toneladas de cartuchos... Uns 12 consoles diferentes foram apresentados no programa, para ilustrar a diversidade desse universo (veja mais no site do amigo Moacyr).

Abaixo, a galera do bem posando no final do programa para posterizar esse momento de pura diversão e cultura (mesmo não tendo nenhum joguinho ao vivo durante a entrevista!).

Na sequência: André de Abreu, jornalista de games e multimídia (veja o site), Roger 'Game Cultura' Tavares, Moacyr 'Pc Engine' Jr, Rafael Mollina, o apresentador do programa, Jaime, um jovem que gastou salários inteiros em games e fliperama mas que hoje já encontrou o caminho de Deus (parabéns, broda!) e Retro Kao.

Quando a gente grava a parte 2???

P.S.: Um reconhecimento especial para a Marília e a Susana, produtoras que ralaram bacana pra gente poder desfrutar com qualidade esse momento. Parabéns, garotas, e obrigado!

quinta-feira, 20 de março de 2008

A HORA DOS GAMES

Fui contatado esta semana pela produção da Rede Família, uma rede de tv online, para participar do Programa da Hora.

Honestamente não conhecia a rede, mas achei o site muito profissional e bem feito e a programação parece bem variada.

O programa em questão está definido no site como "Um programa de debates, ambientado em um loft, simbolizando a casa do apresentador Rafael Molina, que recebe a visita de um grupo de jovens para conversar e debater assuntos que fazem parte do cotidiano, a partir de elementos que decoram sua casa."

De fato, estarão presentes hoje no programa algumas personalidades que conhecem do assunto, sendo o Roger Tavares a presença de destaque da noite, por ser claramente uma notoriedade no assunto (e não tem nenhum confete aqui! Confira o trabalho do cara no Game Cultura!)

Se puder, assista de casa a partir das 20h15, clicando no link Ao Vivo ou no banner aí em baixo. Não sei se o programa estará disponível na rede depois.

No mais, fico contente em poder participar de mais esta oportunidade de apresentar ao público em geral porque Game não é coisa de criança e é, sim, um assunto sério de ser tratado.



terça-feira, 18 de março de 2008

OLD ZINE

Estes meninos são bons... Muito bons.

A imagem do post é capa do Old Games Zine, trabalho de uma galera que mantém viva a memória dos jogos e consoles antigos, um pouco na linha dos já conhecidos Jogos80 e, é claro, deste blog.

O trabalho deles não chega a ser uma EGM, mas o material produzido tem qualidade e uma preocupação bacana com conteúdo e variedade de sessões.

A coisa nem é nova, começou há anos e a capa acima é da edição 35!

Está tudo online para baixar e, se você gosta do assunto, vai ter muito com que se divertir.

É isso aí, galera! Parabéns!

PARA SUA COMODIDADE...

A gente é velho (e meio burrinho!) mas vai aprendendo...

Depois de fuçar um pouco na net, descobri que podia criar Tags para facilitar a sua navegação pelo blog, permitindo que você leia apenas aquilo que lhe interessa (veja exemplo na imagem acima).

Parece simples, mas para estes gamers oldschool a coisa nem sempre é tão ituitiva quanto parece... Isso me faz pensar que temos muito o que pesquisar ainda em usabilidade para a galera da Terceira Idade.

Mas agora você já não precisa mais ler certas bobagens... Vá direto naquelas que te agrada!

Grato pela audiência!

segunda-feira, 17 de março de 2008

O MENOR ATARI DO MUNDO

Tava navegando no Orkut e caí na comuna Atari 2600 até chegar a este site do Dablio, um Atari lover que levou sua paixão um passo adiante, cronstruindo o menor atari do mundo.

Nas fotos abaixo dá pra ver a gambiarra do sujeito e, no site há muita informação sobre o processo e a pesquisa do cara.

Não deixa de ser interessante e divertido ver como o Dablio não desistiu, mesmo ante às dificuldades encontradas.

Parabéns, mermão! Grande abraço!

sexta-feira, 14 de março de 2008

ASSISTA! E OUÇA!!!


Sajama Cut - Fin [VGO bonus round mix]

Gostei da estética, gostei do roteiro do clip e a música é um mimo!

Gaste um tempinho a mais no blog e assista. Vale à pena!

RETRO GAMES MESMOOO!!!

Encontrei este simpático site só com games de estética claramente retrô em uma daquelas navegadas sem propósito aparente.

Achei legal porque té mesmo os games em 3D têm uma cara meio PSOne e não a destes 3dezões atuais de 100 mil polígonos para cada personagem.

Alguns games são claramente inspirados em clássicos do passado: a imagem acima é do game de tiro em primeira pessoas 3D Tomb II; abaixo vê-se uma imagem do Gaso, um game em tamanho minúsculo e, por último, Goldeneye 2D, game de plataforma baseado na série de ação do espião 007 e no excelente game criado para 64.

O site é uma compilação destes jogos, disponíveis para uma rápida partida online ou para download.

Confira.



quinta-feira, 13 de março de 2008

PIXEL PICTURES



Já postei falando aqui sobre os Ministecs e as obras de arte possíveis de serem criadas com a técnica, mantendo a cara de 'sprites' de 8 bits.

Este outro brinquedo chama-se Pixel Block e o próprio nome já dá a dica das possibilidades de trabalho com o recurso. Veja as imagens de algumas obras.

O sistema de encaixe das peças é simples e intuitivo e o resultado fica bem bacana...

Há até um videozinho mostrando as possibilidades de stop-motion com a técnica.

Veja outras fotos neste site.




quarta-feira, 12 de março de 2008

FOTONOVELA ANIMADA

video

Lembram de um programa que a galera do Jogos 80 ia fazer no Alltv, dentro do programa PS3 for All?

Bem, eles fizeram... Eu acabei não participando porque perdi a hora... Estava tentando criar este videozinho tosco que conta a história dos vídeo games para entrar no programa e, como Murphy é este ser onipresente em nossas vidas, tudo deu errado, o vídeo saiu uma caca e acabei perdendo a oportunidade!

Anyway, como a coisa ficou pronta, não vi motivos para não disponibilizar... Este foi apenas um piloto, mas pretendo continuar os capítulos.

Espero que você se divirta... Me dará ao menos a sensação de que a trabalheira toda não foi em vão.

Aproveito para agradecer o Roger e a Claudinha do Game Cultura, que deram a maior força e ajuda!

Grazzie, belos!!!

terça-feira, 11 de março de 2008

NINTENDINHO ONLINE


Viram o post abaixo sobre glitch art?

Alguém percebeu o link para o game Contra? bem se você não percebeu, aí vai a dica:

O site vNES oferece jogos emulados em Java direto do console para seu micro onlne!

Bateu aquela saudade do passado? Descarregue a adrenalina!

GLITCH ART


Eu não sabia o que era Glitch Art até recentemente, quando vi uma exposição muito bacana com imagens e informações sobre a técnica na Internet Livre do SESC Santo André.

Se você também não sabe, Glitch Art é uma técnica que cria imagens distorcidas a partir da modificação do código-fonte de uma imagem original.

Não se como se faz isso, mas vejo que o resultado às vezes é bem legal e apresenta um nov caminho para a expressão das artes, aproveitando de forma criativa os recursos dessa nova e ainda incompreendida ferramenta, o computador.

As imagens deste post são do game Contra, dispostas nesse site, que inclui dois vídeos mostrando o processo de criação da arte.

Mais glitches, você encontra aqui.



PIXEL ART MOLEZA


Fiz essa imagem rapidinho sem mover um pixel sequer!

É bem verdade que não é lá uma grande obra, mas dá pra se divertir brincando com o Invadr - Pixel Art Generator disponível online.

Basta clicar na tela do programinha e as imagens vão se alternando.

Confessa: nos tempos do NES você ia achar isso o máximo!!!

SABOTAGEM!


Nada como navegar atrás de novidades...

É sempre impressionante ver como os clássicos estão no imaginário coletivo de todos nós, gamers novos e velhos e como estas referências são munição para nossas viagens mais piradas!

A manchete acime é do game Pacman, jogável no site Retro Sabotage.
Como o próprio nome diz, o site recriou os games do passado dando-lhes uma dimesão um pouco mais paranóica e radical. Pacman, depois de liberar sua fúria assassina por fantasminhas, cai no mundo e barbariza a humanidade.

O game dos Space Invaders é ainda mais legal e aterrorizante!
Confira o site e dê boas risadas!

terça-feira, 4 de março de 2008

ESTE FUNK NÃO É CARIOCA!


Se você me pedir para eleger meu jogo preferido, apenas um, eu não vou nem pestanejar: Toe Jam & Earl!


Para mim, este jogo concentra a maioria dos recursos que considero essenciais em um game: criatividade, inovação, desafio, jogabilidade, diversão, estética marcante, projeto de som coeso e arrojado e personagens inesquecíveis! Se eu estiver exagerando me avise!!!

Toe Jam & Earl marcou época por saber aproveitar com qualidade tudo o que a robusta plataforma Genesis/Mega Drive podia oferecer. Eu sei que, no caso, estamos falando de uma tecnologia 16 bits, ao contrário da maioria dos posts desse blog mas, levando em conta que a criação do jogo é de 1991, dezessete anos de vida (e ainda extremamente contemporâneo ainda hoje!) transformam esse produto em umm clássico respeitável.

Na época, a Sega atacou com tudo o que tinha para tentar reverter o mercado, maciçamente dominado pelo NES concorrente, e começou a obter sucesso, a partir do acertado lançamento de Sonic, The Headgehog.

Em tempo: Sonic fez sucesso em razão de um conjunto de circunstâncias aparentemente não correlacionados:
- A Nintendo colhia os louros da vitória com o Nintendinho e nem sonhava em, a curto prazo, atualizar seu parque tecnológico;


- A Sega, ao contrário, amargava prejuízos com o Master System (à exceção da Europa e do Brasil) e apostava alto em um chip mais parrudo;

- As crianças que possuíam um console de 8 bits começavam a adolescer e mudar sua perspectiva de vida e de mundo; jogos fofinhos como Mario e Kirby já não encantavam o público que entrava na puberdade;

- O comportamento dos jovens estava mudando: a geração que crescia já não acreditava nos antigos dogmas de seus antepassados como "Paz e Amor", "Lar, doce Lar", "Direita", "Esquerda", ou pedir a Benção antes de dormir. Sonic chegou barbarizando, com uma postura ao mesmo tempo rebelde e ousada, "descolado" como a cética geração dos anos 80. A identificação com sua "atitude" foi imediata, deixando Mario om os bigodes em pé!


Toe Jam & Earl eram, de certa forma, a confirmação dessa tendência, seu comportamento "cool", sua musicalidade suingada, a sensação de estar deslacado em um ambiente aparentemente estável e paranóico (como em muitos lares de famílias!) e o design gráfico extremamente datado e "new wave" foram determinantes para o interesse do público no game. Para melhorar as coisas, o jogo era muito engraçado e a jogabilidade bem divertida.

Em um artigo online, Clint Dyer define assim suas impressões do jogo: "Toe Jam & Earl também não pertence a este artigo como um dos melhores jogos para Genesis em praticamente todos os aspectos. De fato, ele pertence ao artigo "Os mais Estranhos Conceitos para Game".




Bill Kunkel, um dos primeiros jornalistas do mercado especializados em vídeo game e criador da Subway Software comenta nessa entrevista
que, certa ocasião, foi consultado pela Sega para analisar o game: "...companhias como a Sega, nos pagavam para apreciar seus jogos. Eu me lembrto que eles nos enviaram Toe Jam & Earl e nós dissemos a eles que o jogo era um arrasa-quarteirão garantido. Então eles acabaram lançando Sonig The Headgehog e TJ&E acabou virando um clássico cult menor".

Curiosamante, de fato, o jogo teve pouca expressão nas vendas em seu lançamento. Greg Johnson, game designer e co-autor do jogo comenta nessa entrevista os detalhes do difícil começo: "Após o lançamento a Sega considerou o jogo um mico. O jogo cresceu lentamente, na base do boca-a-boca e só então se tornou um título cult".

Levaria algum tempo até que fossem reconhecidas as qualidades do jogo, que causava estranhamento por ter um game design incomum, não baseado no conflito e cujo andamento não somava pontos, muito mais focado no gameplay e no funfactor.

Um dos pontos altos do jogo era a estética cartum dos alienígenas. Como é notório no mercado de entretenimento, um personagem com traços marcantes pode cativar e amealhar um público muito mais amplo e significativo. Mickey e Hello Kitty estão aí para comprovar a teoria (assim como Pucka, Sonic, Mario, Pacman, Flintstones, etc.). Os ETs do game tinham um estilo rapper bastante condizente com a época e personalidades distintas, além de um certo ar abobalhado e despreocupado que colaboravam para enriquecer a ambientação do jogo.

Na mesma entrevista, Johnson comenta o processo de criação dos aliens do jogo: "Eu estava com os aliens na cabeça após Starflight (game de 1986 da Binary Systems e Electronic Arts, no qual ele acabava de participar da produção) e eu queria algo leve e meio tonto, não muito difícil de ser construído... uma boa dose de inspiração para os personagens veio facilmente de onde vêm as melhores idéias - o subconsciente".


Se você leu o post anterior sobre Berzerk, sabe que ele foi inspirado em "Robots", criado para rodar nos computadores da Apple. TJ&E também teve sua fonte de inspiração em outro jogo: Rogue, jogo desenvolvido em código ASCII baseado na idéia de exploração de masmorras, no melhor estilo Dungeons & Dragons. Johnson não esconde que era fã incondicional do game: "Era um grande jogo. Havia certas coisas sobre a mecânica que eu simplesmente amava".

Embora não pareça haver uma associação direta aparente entre os dois jogos, o uso de mapas aleatórios e a ênfase na idéia de sobrevivência mostram grandes semelhanças.

Iniciada a produção, TJ&E logo foi apresentado à equipe da Sega. "Mark [Voorsanger, programador e co-autor do game] e eu fizemos cartões com partes do terreno para mostrar à Sega como funcionaria o sistema de geração aleatória de mapas. A Sega mostrou certa preocupação de que o modo para dois jogadores poderia não ser tecnicamente viável... Mark e eu sabíamos o que queríamos desde o início. A Sega disse 'Desistam! Vocês não podem fazer isso com esse hardware', mas Mark fez mesmo assim e mostrou para eles!"

Mais tarde, a Sega erraria outro prognóstico, ao considerar que a franquia deveria ser mudada, transformando "Panic on Funkotron", o segundo jogo da dupla, em uma aventura de plataforma.


"Tive um almoço comToyoda Shinobu, vice-presidente de desenvolvimento, e ele admitiu que havia sido um erro da Sega fazer do jogo um side-scroller (plataforma lateral)" conta o game designer.

Em 2000, os criadores iniciaram a produção de uma nova versão para o console Dreamcast, que deveria ser praticametne um remake do original, mas os planos foram frustrados com o anúncio da Sega que descontinuaria o console em 2001.

O jogo acabou sendo desenvolvido mais tarde para o Xbox, da Microsoft. Talvez para se redimir do equívoco de "Panic", dessa vez o lançamento privilegiou todo o universo icônico criado pelo jogo original e os monstrinhos voltam à Terra (o planeta mais dessuingado do cosmo!) trazendo sua irmã para, juntos, resgatarem os 12 álbuns sagrados do funk.


A tônica do jogo é o groove por excelência e deve agradar aos fãs saudosos, que aguardavam essa merecida atualização.

Para nossa sorte, o mundo dos games é um dos raros redutos ainda não invadidos pelo funk carioca!

O jogo original acabou portado para o Nintendo Wii e pode ser baixado pelo Virtual Console. O review do site especdializado IGN comenta: "TJ&E é, definitivamente, uma experiência alienígena... O jogo tem estilo! Há uma detalhada animação introdutória para ambientar a história acompanhada por renderizações grandes e coloridas dos dois personagens. O som é o ponto alto do game".

Não perca mais tempo: tire a poeira do seu Mega Drive, assopre a fita e reviva os bons momentos dos funkeiros do outro mundo!

segunda-feira, 3 de março de 2008

TÔ CORRENDO, TÔ CORRENDO!..

Sério!

Sei que o blog parece meio largado, mas não está!

Estou escrevendo nesse momento os posts de Commander Keen, King´s Bounty e o inigualável Toe Jam & Earl. Mas, enquanto escrevo, a coisa aqui não muda...

Paciência, meu caro leitor (você viu? São quase 6.600 page views! Yeahhhhhhhhh!!!)...

Em breve, muito mais conteúdo no Retro Games!

Volte sempre! A Gerência agradece!!!